Oh Mother

Com sua mãe ela jamais pôde contar. Rosa era fria. Rosa era fútil. Rosa era egoísta. Rosa era insuportável. Rosa era uma vadia. Cobiçara o marido da irmã. Aproveitara-se da ausência da irmã. Provocara o cunhado à exaustão. Mediante vis artimanhas, enredara o cunhado, entregara-se ao cunhado. Então concebeu a filha única. Continue Lendo…

Heaven Came Down

*playlist da crônica ao fim do texto Haveria mais verdadeiro ditado que aquele que enuncia que ninguém sabe o que tem até que o perde? Isadora não se considerava capaz de amar, não se considerava capaz de sentir. Isadora, porém, descobriu Bernardo. E Bernardo a descobriu; amaram-se. Um namoro sólido, desde o primeiro Continue Lendo…

Con calma si vedrà

*Trilha sonora ao fim do texto. Recomendável lê-lo escutando-a. Fugia do calor, fugia do barulho. Fugia do tumulto, do colorido desesperado e ofuscante, do álcool que embriagava a alegria das multidões. Fugia da frustração, mas talvez estivesse fugindo também de si mesma. Nunca apreciara o Carnaval, mas naquele ano, em Continue Lendo…

This Time

*trilha sonora para o post ao final deste. Dias de desilusão, dias de preocupação. Expectativas em alta, frustrações recorrentes. Onde estaria o amor? A quanto estaria distante daqueles objetivos que sempre preencheram sua vida? Como alcançar metas e realizar sonhos quando apenas um nevoeiro de incertezas era o que via Continue Lendo…

Time for Miracles

* trilha sonora para a crônica ao fim do texto para quem quiser ler escutando as músicas que me inspiraram As luzes cintilavam em torno do pinheiro natural de aproximadamente 3m de altura. Luzes brancas, fitas vermelhas, douradas, bolas metálicas, anjos. O Natal na casa dos cunhados não era uma Continue Lendo…