Air Supply no Vivo Rio 2018

Na sexta-feira 16/03, o palco do Vivo Rio recebeu mais uma vez o Air Supply, a banda liderada por Graham Russell e Russell Hitchcock que emplacou alguns dos maiores sucessos dos anos 80, como a animada “Even the Nights Are Better” e a melódica “Making Love out of Nothing at All“.

Não é a primeira vez que vou a um show da banda. Em 2011 estive no mesmo Vivo Rio, então com uma amiga, na turnê Mumbo Jumbo. Esse ano, a companhia foi meu pai, que teve as músicas do Air Supply com trilha sonora de sua própria juventude. E, assim como em 2011, foi um show incrível. E, surpreendentemente, uma boa parte do público parecia ter entre 25 e 35 anos (faixa na qual estou incluída), mostrando que a banda conseguiu formar uma boa fan base entre os que crescemos com nossos pais a ouvir Air Supply.

Embora já bem próximos dos 70 anos, Graham e Russell continuam com suas vozes bastante firmes, de modo que dão conta de 15 músicas em quase duas horas de show, incluindo a vocalmente exigente “Without You” (sim, a que é mais conhecida na versão gravada nos anos 90 pela Mariah Carey) e a enérgica “Even the Nights are Better” (que está no meu top 3 da banda). As performances desta e de “Making Love out of Nothing at All” foram, sem dúvidas, os pontos altos da noite, sendo as músicas em que mais se pôde ouvir a platéia em coro com Graham e Russell. Ainda do meu top 3, eles também performaram “Goodbye”, a qual se destaca por ser uma daquelas poucas canções em que Graham assume os vocais por uma parte considerável da música, ficando o refrão por conta de Russell.

Além de todos os clássicos que dominaram o show, houve também gratas surpresas como “Adore You“, single lançado pela banda no ano passado; o cover de “Without You“, que não fez parte do setlist do show de 2011 e, a divertida performance de “Shake it(Seria esse o nome? Não consegui descobrir.), um rock’n’roll clássico que ainda nos proporcionou uma dancinha épica de Graham Russell! O momento de maior emoção para mim, contudo, aconteceu quando Russell e os instrumentistas deixaram o palco por cerca de 10 minutos sob o comando de Graham. Nesse tempo, o britânico interagiu com o público fazendo piadas sobre os 43 anos de convivência com Russell e recitou um poema da própria autoria, “Invisible”. Terminada a poesia, Graham pegou seu violão, sentou-se em uma banqueta, falou sobre a convivência à distância com a família e pôs-se a cantar “Why Don’t You Come Over“, música que até então eu desconhecia, de maneira profunda e comovente.

Sinceramente espero que esse não seja o último show deles no Brasil, pois eu adoraria estar lá mais uma vez… Encerro o post com alguns vídeos e a tracklist apresentada no Vivo Rio…

Sweet Dreams

Even the Nights Are Better

Every Woman in the World
Here I Am (Just When I Thought I Was Over You)
Chances
Goodbye
Adore You
Invisible (poema)

Why Don’t You Come Over

Now and Forever/ Two Less Lonely People in the World
The One that You Love
Lost in Love
Making Love out of Nothing at All
Bis
Without You
Shake It
All Out of Love

Economista & Escritora. 25 anos, apaixonada por ficção, música, política e coisas fofas. Aqui vocês terão resenhas e, principalmente, textos ficcionais escritos por esta que vos “fala”.

0

Comente!